O Instituto Aço Brasil elevou de 5,8% para 15% a expectativa de crescimento do consumo de aço no país em 2021. A previsão é fruto da retomada econômica e foi apresentada ao presidente Jair Bolsonaro nesta 2ª feira (14.jun.2021).

“Trouxemos os resultados do setor para o governo, porque o consumo de aço costuma antecipar o que ocorre na economia. Significa dizer que a economia está em um processo de retomada mais sustentada”, disse o presidente do Aço Brasil, Marco Polo de Mello Lopes.

Segundo ele, o crescimento de 15% do consumo de aço deve ser acompanhado por uma alta de 11% da produção e de 12,9% das vendas do produto.

Marco Polo reuniu-se com o presidente Bolsonaro e com os ministros Paulo Guedes (Economia), Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional), Tarcísio de Freitas (Infraestrutura), Bento Albuquerque (Minas e Energia), Luiz Eduardo Ramos (Casa Civil) e Flávia Arruda (Secretaria de Governo) no Palácio do Planalto nesta  2ª feira (14.jun.2021).

Tarifa de importação

Na ocasião, Marco Polo também disse ao governo que os preços do aço subiram neste ano por conta da alta das commodities. Ele garantiu que não há desabastecimento no país e falou que, por isso, o governo não precisa estimular a importação de aço para fazer frente ao aumento do consumo.

A redução da tarifa de importação do aço foi solicitada ao Executivo pela CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção), que tem relatado aumento dos preços e baixa disponibilidade de aço no Brasil. Porém, depois da reunião com Bolsonaro, Marco Polo disse ao Poder360 que essa proposta “não está na pauta do governo”.

Reforma tributária

O Instituto Aço Brasil também tratou da reforma tributária com Paulo Guedes na 6ª feira, quando o ministro fez videoconferência com a Coalizão Indústria. Segundo Marco Polo, a indústria defende uma “reforma ampla, com um IVA robusto”. Isto é, uma reforma que unifique os tributos federais, mas também os tributos estaduais que incidem sobre o consumo. “Queremos uma reforma faseada e não fatiada”, afirmou.

De acordo com Marco Polo, a Coalizão Indústria vai aprofundar o assunto com o ministro da Economia em reuniões que ocorrerão 2 vezes ao mês a partir de agora. Guedes defende o fatiamento da reforma tributária e tem dito que a reforma será “muito simples, a que dá para fazer”. O ministro resiste ao IVA Dual porque não quer criar um fundo de compensação para os estados que aderirem à reforma.

Como mostrou o Poder360, Guedes também já indicou que a indústria deve ter uma alíquota maior que a do setor de serviços na CBS (Contribuição sobre Bens e Serviços). A proposta foi criticada pela CNI (Confederação Nacional da Indústria).

Fonte: Poder 360  
Seção: Siderurgia & Mineração  
Publicação: 15/06/2021

Preciso de ajuda? Converse conosco