As vendas de aço pelos distribuidores cresceram 9,8% em fevereiro no comparativo com o mesmo período do ano passado. Foram comercializadas 312,3 mil toneladas, segundo dados divulgados nesta terça-feira pelo Instituto Nacional dos Distribuidores de Aço (Inda).

No bimestre, de acordo com os dados, as vendas somaram 637 mil toneladas, alta de 12,9% em relação a janeiro e fevereiro de 2020. As vendas diárias, segundo o Inda, atingiram 16,4 mil toneladas. “É a melhor média diária desde 2014”, disse o presidente executivo do Inda, Carlos Loureiro.

“A nossa estimativa para as vendas em março é de um crescimento de 5% em relação a fevereiro. No entanto, essa expectativa pode ser menor por causa dos feriados prolongados determinados por Estados e municípios. Muitos consumidores já anunciaram paradas de produção, como a Volkswagen, Volvo e Scania”, disse ele.

As compras de aço pelos distribuidores chegaram a 321,9 mil toneladas em fevereiro, alta de 5,1% no comparativo ao mesmo mês do ano passado. No bimestre, os distribuidores compraram 657,8 mil toneladas, aumento de 9%.

Segundo o Inda, os estoques de produtos siderúrgicos no mês passado ficaram em 696,5 mil toneladas, o que representa um giro de 2,2 meses de vendas. “Com a alta dos preços é provável que o setor estabeleça como nível ideal de estoques um volume para 2,5 meses de vendas. Rodávamos, até então, com um giro ideal de 3 a 3,1 meses de vendas. Devemos trabalhar com o estoque reduzido para melhorar as margens”, disse Loureiro.

Segundo o Inda, as importações de produtos siderúrgicos em fevereiro alcançaram 184,2 mil toneladas, um alta de 57% no comparativo com o mesmo mês de 2020. No bimestre, foram importadas 263,33 mil toneladas, um crescimento de 54%.

“A parada de produção de alguns clientes pode ter um aspecto positivo, que é dar um certo fôlego às usinas. Elas trabalham a plena carga e [isso] vai poder preencher os estoques que estavam em desnível. Essa é a parte boa da parada parcial: conseguir equilibrar oferta e demanda mais rapidamente”, disse Loureiro.

Segundo ele, essa regularização no abastecimento poderá acontecer até o final de abril, antes do estimado, que era maio ou junho. “Com o estoque normalizado cessa a pressão forte em cima das usinas, o que está levando a reclamação em relação aos níveis de abastecimento.”

Fonte: Valor  
Seção: Siderurgia & Mineração  
Publicação: 24/03/2021

Preciso de ajuda? Converse conosco